Skip navigation

Imagem

Olá companheiros do Armazém…

sei que estou a há bastante tempo sem escrever e peço desculpas aos amigos que vinham lendo meus posts, quando estes tinham periodicidade. Acontece que a vida vai nos empurrando pra lá, pra cá, pra lá, pra cá… e enfim, fica difícil ser humano, fica difícil escrever, essas coisas que a gente gosta, mas o mundo, a sociedade odeia… Mas, vamos ao assunto… O que me trás de volta é uma nota de utilidade pública, é uma alerta aos amantes das coisas certas, àqueles que como eu, sonham com um mundo melhor… “Sonham”, pelo menos… Vejamos:

No dia 09/06/2013 fiz uma compra, via cartão de crédito, através do site Balão da Informática (www.balaodainformatica.com.br).  O valor foi faturado no dia 10/06/2013 e até hoje (15/06/2013) o produto não foi postado. Mandei algumas mensagens para o SAC e só recebi respostas automáticas, totalmente vazias e inconclusivas. A coisa é tão absurda que eles chegaram a trocar meu nome, ou seja, nem se deram ao trabalho de mudar o nome da pessoa anterior comunicada através da mensagem automática. Essas respostas podem ser vistas em sites como Reclame Aqui e Reclamão.com (todas as respostas deles são automáticas). Nesses sites chovem denúncias contra o Balão da Informática, o qual a taxa de rejeição chega a níveis de mais de 50%! Neste vídeo

vemos o absurdo no qual o Balão da Informática chama o cliente de “troxa” em referência a uma denúncia no Reclame Aqui. Vemos que além de amadores, para não dizer algo pior, são irresponsáveis, afinal, quem respondeu a denúncia feita no Reclame Aqui? Certamente, não foi alguém preparado. Há absurdos gritantes como pessoas que fizeram compras de mais de R$ 10.000,00 e simplesmente não receberam a encomenda ou o dinheiro de volta depois de vários meses. É só pesquisar no Reclame Aqui e no Reclamão.com. Há também um vídeo onde Celso Russomanno liga para o SAC do Balão da Informática e por várias vezes tem o telefone batido na cara. Somente após muita insistência e ameaças feitas por parte de Celso é que a supervisora do SAC diz que o produto será trocado.

Eis o vídeo:

A verdade é que compro pela Internet há mais de 15 anos e nunca fui tão achincalhado como agora. A empresa Balão da Informática (Ecco do Brasil Informática e Eletrônicos LTDA / CNPJ: 058270940001-90) de fato, não é séria, e corre grandes riscos face sua política e logística totalmente irresponsáveis. Até o presente momento, meu pedido consta como “faturado” (15/06/2013), ou seja, há cinco (05) dias que o meu dinheiro está com a empresa e eles não repassam os produtos… Não há sentido nisso, afinal o que os impede de efetuar a postagem, senão a mais pura e simples falta de compromisso? A falta de compromisso é tanta, a irresponsabilidade é tanta, que ontem pela manhã (sexta feira) eu liguei para o SAC e a atendente disse que minha encomenda seria postada pela tarde. É claro que duvidei, era bom demais para ser verdade… Pois bem, lá pelas 17:00h consultei minha caixa de e-mail e nada, é claro. Então, liguei novamente, e outra atendente me disse para ter calma, que o produto ia chegar, mas não disse quando… Hoje, sábado, dia 15/06/2013 estou desde 08:00h da manhã tentando falar com o SAC e só dá ocupado. Diante de uma situação dessas, fica a pergunta: por que a Internet continua tão insegura? O Balão da Informática não é uma lojinha qualquer, um site fantasma que é feito num dia e desaparece no outro. É uma empresa cheia de espaços físicos (32 lojas) inclusive em Shoppings, com mais de vinte anos de estrada! Já deveria existir algum mecanismo mais efetivo para coibir esse tipo de abuso, afinal nem sempre a gente pode sair pesquisando qual empresa é ou não picareta. Só depois do golpe que estou recebendo que tive a iniciativa de futucar a merda… e que grande monte de bosta! Quanto mais vasculho, pior. É muita, muita gente lesada. E eu já me enquadro nesse grupo. Fico na esperança de um dia receber a encomenda, pois o cancelamento é pior (você não recebe nada, nem dinheiro, nem o que foi comprado). De qualquer modo, se a demora se estender mais tomarei medidas judiciais…  Assim, pessoal, pesquisem antes de comprar nessa loja, não acreditem em mim, pesquisem e vejam por vocês mesmos.

Hoje, pela manhã (domingo 16/06/2013), vi mais três pérolas do Balão da Informática no Youtube. No primeiro vídeo o cidadão comprou um pedal de teclado e veio uma pasta térmica. Ele teve a presença de espírito de filmar a abertura da encomenda, pois percebeu o pacote muito leve para ser aquilo que esperava. No segundo, o sujeito comprou um Xbox 360 com defeito. O Consumidor então abre um chamado perante a “empresa”, visto que ainda estava dentro do prazo legal de troca,  e aquela o manda contatar a Microsoft… kkkkkkk… Além de incompetentes são piadistas! Sensacional.  No terceiro, um cara que foi lesado pelo Balão da Informática dá uma aula de como comprar pela Internet, e usa seu malfadado exemplo com a famigerada empresa. Vejamos os absurdos:

 

Anúncios

http://demo-de-democracia.blogspot.com/

http://docverdade.blogspot.com/

http://pt-br.protopia.wikia.com/wiki/P%C3%A1gina_principal

http://www.almascorsarias.com.br/

Vamos divulgar!!!!!

Sim, o carro estava muito rápido. Eu falei… fiquei falando pra Renato, dizendo que ele corria demais. Daí, sai aquele cavalo do meio do mato, no acostamento… Não quis me ver, nem os caras… Eles não acreditavam… devem estar um pouco perdidos. Não que eu não esteja, mas acho que estou menos perturbado que eles, certamente. É estranho demais… Tudo transcorre como num imenso sonho, um sonho do qual você sabe que dificilmente acordará. É preciso reaprender tudo. Não foi culpa minha, “Eles” sabem. Espero que sejam generosos comigo, que preparem algo melhor para mim, lá na frente. Um outro mundo, talvez… menos perturbado que esse. Quem disse que a alma não cansa? É um cansaço pior que o do corpo, pois é ancestral e inacessível. Ninguém nos ensina a pôr a alma pra relaxar. Mas é aqui que a sensação é mais forte… Apesar disso… bom, sinto-me melhor do que na semana passada… exceto pela saudade de uns entes queridos. Queria ter visto meu filho crescer… isso dói. É claro que posso ficar perto dele, mas… sei lá… não estou pronto, ainda… para revê-lo. Seu estado não deve ser dos melhores… ele ainda chora, e eu chorarei com ele, e isso é ruim. Partidas são difíceis. Isso é algo com que jamais me acostumei. Quando a visita é boa, você quer que fique para sempre. Em meio a tanta tristeza, apegamo-nos ao que é bom… e isso, a cada dia, fica mais e mais forte. Há pouca coisas boas. Meu garoto era uma delas. Espero que ele siga bem. Bom… o futuro… ora, se as coisas continuarem assim, vou colar nele, para ajudar um pouco. Fiz muitas merdas e posso dar-lhe boas dicas de como se safar, ainda mais agora, que estamos todos indo pro buraco. Mas devo preparar-me melhor… O tempo todo é essa sensação… como se a gente quisesse chorar. As lembranças vêm muito fortes, memórias que eu achava que não tinha… ora veja… usei até jaqueta de couro, um tempo. Andei a cavalo, pesquei com lança e tudo mais. Há muito verde, sempre. A natureza virgem sempre me emocionou. Minha mãe dizia que eu parecia “índio”. Ela falava pejorativamente, mas não estava de todo errada. De fato, acho que os índios gozavam de certo sossego, embora guerreassem entre si e tudo mais. Posso ter sido um deles, certamente. A jaqueta de couro é que não entra na cabeça. É melhor parar de pensar nela. Que fique a intuição, de modo a evitá-la, sempre que possível. O que fazer, agora? Para onde ir? Só com o pensamento é possível singrar as mais absurdas distâncias, mas até isso enche o saco… se não tem um objetivo. Tudo precisa de um objetivo, afinal. Ficar parado, só olhando, observando, não leva a nada… mas, como agir, num âmbito imaterial? Bom, certamente isso é algo que nos obriga a retornar… A purificação está no pensamento, em só pensar, e agir através dele, do pensamento. Mas como fazer isso, como chegar a esse nível? Como se chegar ao nível de efetivamente atuar através do pensamento? Seres físicos são seres da ação… não é mais o caso, agora. Como eu dizia há uma semana atrás: “preciso respirar”. É interessante, vivemos uma vida toda sensual, mas, no fim, só resta o pensamento. É como se fosse nosso esqueleto, agora, ou nosso sangue… sei lá… Preciso respirar… preciso respirar…


Olá pessoal do Armazém. É com muito prazer que “linco” esse documentário fantástico sobre a história recente da América Latina. Aqui, vemos o que se passa na Guatemala, Bolívia, Venezuela e alguns outros países da região e como os EUA os estupram. O documentário em bem costurado e embasado, sem pontas ou arestas. Tem muita informação importante. Você, que estiver lendo esse post, se puder, análise esse material, digo, o vídeo, e, se gostar, passe para outras pessoas. Mais uma vez, vou falar em revolução: a revolução é interna, é dentro de cada coração, dentro de cada mente. Parem de assistir TV e busquem a verdade na Internet. Por enquanto, a Internet é o único lugar onde ainda se pode ver um pouco de democracia e liberdade de expressão.

Ps.: parabéns a quem inseriu as legendas no vídeo. É muito importante esse tipo de ação, verdadeiramente revolucionária.

Esta mensagem é pra quem acredita no Espírito.

Quem quiser enxergar, e mesmo aquele cujas “vistas” não estejam lá muito boas, poderá verificar que vivemos um momento depressivo… no mundo todo. Fala-se que os grandes líderes das grandes potências são devotos e invocadores de demônios. Diz-se que Bush pai incorpora um tal de Moloch, uma entidade das mais perversas que se possa pensar, o verdadeiro filho de Satã. Bush pai participa de uma sociedade secreta chamada Skul e Bones, sediada na universidade americana de Yale e lá o nome verdadeiro dele é o desse demônio, Moloch. O filho dele segue pelo mesmo caminho, e o pai também, Prescot Bush, que durante a segunda guerra ajudou a financiar Hitler. Alguém liga pra isso? Não, ninguém liga. É ficção, é teoria da conspiração, dizem muitos. Na Inglaterra, Tony Blair é um Illuminati do 33º grau, um grande satanista e invocador de demônios. Há rituais macabros em que ele e a alta nobreza inglesa participam… os demônios pedem sacrifícios, muitos sacrifícios, que lhes são concedidos. Mas isso não é suficiente, é preciso manter a população em constante estado de tensão, é preciso manter as pessoas desesperadas, com medo, aterrorizadas, para que se sustente o status quo. Para isso, a TV, diariamente, nos bombardeia com imagens de morte, de ameaças, mensagens subliminares de todo tipo, sexo depravado… As pessoas são depositários de todo o lixo manipulador da elite, mas elas não ligam… ninguém liga… amizade? Só rindo, mesmo… O que é amizade? Isso não existe mais. Amor! Ora, amor é coisa do passado… Solidariedade?! Fora de moda… No trabalho, somos torturados. Claro, é só lembrar que a palavra trabalho vem do latim tripalium, e isso não é a toa. O trabalhador moderno é tão somente uma nova categoria de escravo, é aquele que vai de bom grado e reza para continuar do jeito que está. Quem pensa diferente é preguiçoso e vagabundo… Fico pensando no mundo que daremos aos nossos filhos… um mundo dominado por satanistas, que fazem guerras para seus Baphomets, existam eles ou não… mas existem, podem ter certeza. Se você acha tudo isso tolice, te peço o seguinte: pense que todos os dias morrem de fome 26000 crianças. Pense no seu filho morrendo de fome. É um bom pensamento? Certamente que não. Imagine-se impotente para aplacar a fome daquele pequeno ser que depende totalmente de você, e você nada pode fazer. É triste não é? Sabia que o que os EUA gastaram com a invasão do Iraque dava pra matar a fome de todo o continente africano? Sabia que o que se gasta com armas e guerras no mundo, daria para acabar com a pobreza no mundo? E você acha que isso é só “economia” e “geopolítica”? Não, meus amigos, não é só isso. É maldade, é o gosto de se fazer o mal. Fazer o mal é bom porque é fácil, o retorno é rápido. Mentira, omissão, roubo, assassinato, prostituição, tudo isso, certamente te fará crescer aqui na terra. Fique certo disso. Associe-se a um demônio bem maligno e você verá suas terras se multiplicarem, seu dinheiro render, mas, seja mau de qualquer forma. Entregue sua alma a um ser desse, e não haverá prazer terreno que você não experimente… Mas entenda, observe a Natureza: há duas palavras mágicas. Quais são? Ação e reação. Não pense que suas atitudes não reverberam no cosmos, elas reverberam. O seu pensamento ultrapassa as barreiras mais distantes e inimagináveis… E há quem te veja e te observe, pode ter certeza, pois o equilíbrio da Natureza precisa ser mantido. Os seres superiores estão apenas esperando o momento certo de agir. Certamente, com tantos espíritos errantes vagando pela terra, por conta de tantas mortes em louvor ao diabo, algo está para acontecer… Isso independe de religião, ou o que quer que seja. É preciso abrir um parêntese para colocar que muitos grandes cientistas, são cabalistas, magos negros, francomaçons, illuminati, simples satanistas… É só dar uma olhada nos quatro principais nomes do projeto Manhatam. Fala-se que a primeira explosão atômica serviu para energizar um Golem com o “poder atômico de Satã”… algo que os velhos alquimistas tentaram durante séculos… Dizem que o Anticristo já está entre nós, e nasceu no séc. XX… especulações? Loucura? Tolice? Hoje, já não sei. Veja-se o que acontece no Tibet, na Africa, no Leste Europeu, em muitas regiões da Ásia, e é claro, na América Latina. Já é sabido, cientificamente, que o Banco Mundial, o FMI, a ONU, a Comissão das Relações Exteriores, e a Comunidade Europeia, não trouxeram quaisquer progressos à humanidade. É só olhar as estatísticas em sites sérios, que não temem mostrar a verdade. As orientações do FMI são meros métodos de empobrecimento planejado. Servem para manter os países sob seu jugo na miséria… quando isso falha, quando surge um Hugo Chavez da vida, eles mandam matar. Pergunta-se até quando Chavez sobreviverá, e  muitos dizem que até a chegada no novo republicano na presidência dos EUA. Foi preciso colocar um negro lá… Os atentados de 11 de setembro ainda são uma ferida bem aberta… e a mídia alternativa tem sido bem enfática em mostrar que esses ataques foram planejados internamente, pelo próprio governo Bush. Tanto para jogar milhares de almas no desespero (provocando assim uma catástrofe no mundo espiritual, o que é bom para os demônios, os seres do mal), como para seguir uma agenda de “trabalho”. Os ânimos ficaram acirrados, muita gente foi pra rua protestar (é claro que a CNN, a FOX, a CBS, e as outras tv’s grandes não mostraram nem vão mostrar isso – seus altos executivos têm o rabo preso, como aqui na Globo, SBT, Record, Cultura…). Então , o que eles fizeram? Colocaram um cara negro e “democrata”… muito conveniente, de fato. O cara ganhou até Nobel da paz… Será que não tinha ninguém mais engajado, não? Acho que tinha… certamente. Só no Tibet tem uns duzentos. Mas tudo faz parte de um pacote: a gente bota um negão, com cara de gente fina, manda ele tomar umas medidas populares e dá um Nobel pra ele… O povo engole essa porra igual a água… Até eu engoli… A verdade é que Obama é cria de Wall Street, teve a campanha toda financiada pelos grandões de lá, e não há diferenças entre nenhum líder de nada, hoje em dia. Todos respondem ao grande capital, que por sua vez responde ao Diabo. Diante de tanta desgraça, só nos resta fazer uma coisa: manter o corpo fechado, criar um escudo para o mal não entrar. O que eu tenho feito. Deixe de olhar um pouco para o seu umbigo e olhe um pouco para o seu coração. O mundo ainda tem jeito, mas precisamos perder o medo de olhar além. Acredito que a revolução virá quando as almas e os corações do bem assumirem que estão sendo subjugadas pelo mal. Pensem nas crianças, pelo menos. Pense que você já foi criança e que se os adultos de sua época tivessem sido menos acomodados, você teria herdado um mundo menos pior. Vamos pensar, vamos agir…

Segue abaixo uma lista de sites, onde há muito material para pesquisa. Divulguem esses sites, divulguem a ideia de que as coisas devem e vão melhorar.

http://www.youtube.com/verdadelibertavoce

http://novaordemmundial.4shared.com

http://www.enigmatv.com

http://www.youtube.com/deusmihifortis

http://www.movimentozeitgeist.com.br




Antes de mais nada, gostaria de pedir desculpas aos amigos frequentadores do Armazém, pelo longo hiato. Ultimamente, tem sido difícil ser um ser humano contente, como o restante da população que se propõe a pensar, o que é, certamente, o caso dos leitores do Armazém. Atividades lúdicas, como elaborar posts para blogs… nossa mãe… parece um luxo enorme, e, na verdade, não é. Deveria ser simples e tranquilo, como a existência… mas, muitas coisas são o que, de modo algum, deveriam ser… A verdade é que sou um escravo moderno, como os demais que não representam o topo da pirâmide. Entretanto, cá estou. Não muito firme, nem muito forte quanto gostaria, mas estou. Mas venho não por mim, necessariamente, e sim pelo meu grande amigo, o escritor Fabiano Blumetti. Ele acabou de lançar o excelente romance INVERNO, pela Biblioteca 24×7 e imaginei que poderia ser bacana ele me conceder uma entrevista. Bom para ele e para o Armazém, que inaugura uma nova categoria e bota coisa nova na área. Essa entrevista foi por telefone. Eu estava em Amsterdã, a trabalho, e Fabiano, em sua casa, na Bahia, de férias. Segue a transcrição do que se falou:

Armazém: Fabiano, li seu romance ontem, não consegui parar… é fenomenal…

Fabiano: Muito obrigado.

Armazém: Fale sobre o livro.

Fabiano: Bom… é um livro curto, com aproximadamente 190 páginas… mas é repleto de acontecimentos… fica até difícil resumir. É em forma de novela e tem um monte de personagens cujas vidas se cruzam num certo intervalo de espaço/tempo. Pela trama se passar num período hibernal, daí o nome Inverno. Trata-se de coisas bem atuais, problemas corriqueiros e outros nem tanto, desse nosso “Covarde Mundo Novo”.

Armazém: Como você falou, Inverno tem relativamente poucas páginas, mas, parece ser um livro grande. Como você conseguiu isso?

Fabiano: Se entendi sua pergunta, acho que essa impressão se deve à intensidade com que construí, principalmente, os personagens. Não falo nem com relação à trama, pois é algo lógico que seja rica. Mas, em relação aos personagens, espremi bem a cachola pra dar-lhes a vida necessária à verossimilhança.

Armazém: Há um transexual, na história… alguém que você conheça? (risos).

Fabiano: (risos) Não pessoalmente. Mas é um transexual verossímil, ou não?

Armazém: Bastante verossímil, por isso a pergunta.

Fabiano: Ser escritor é ter uma porra de uma antena. A gente tem que enxergar onde o olho não vai. Isso é uma das coisas mínimas do ofício. No final das contas, tudo é o que a imaginação projeta para a realidade, até mesmo na vida.

Armazém: A gente já conversou sobre isso, certa feita, mas diga pro pessoal do Armazém quando você pôs na cabeça que queria escrever?

Fabiano: Muita gente acha que você tá tirando onda, ou é maluco, quando diz que escreveu uma merda de um livro, embora várias pessoas escrevam. O que não rola mesmo, é ganhar grana. Porém, a vontade sempre existiu, desde bem pequeno. No início, o prazer era ler num canto sossegado, viajar numa boa história. Daí, com o tempo, surgiu a necessidade de fazer minhas próprias coisas. Primitivamente, produzi peças curtas e repletas de erros de ortografia e tal, grandes merdas… Mas, só pouco depois dos vinte que comecei a levar a coisa mais a sério. Agora, aos trinta e três, finalmente pude publicar um livro, o melhor que já fiz. Acho que ninguém se arrependerá de ler.

Armazém: Você tem outro livro, não tem? O Farol. Já tentou ver se dá pra publicar?

Fabiano: No futuro, quem sabe… quando a humanidade estiver mais bem preparada… (risos) Mas, O Farol, não é melhor que Inverno. Há uma diferença de quatro anos entre eles, e Inverno é bem mais consistente. A vida é assim, não é? Se o tempo serve pra alguma coisa, é pra nos ensinar.

Armazém: Em quanto tempo você escreveu Inverno?

Fabiano: Exatamente, seis meses.

Armazém: Levando-se em conta que você se tornou pai recentemente, sua mulher trabalha fora e você também, como encontrou tempo para fazer essa bela obra?

Fabiano: Houve momentos de muita aflição, foi bem difícil. Gabriel García Márquez disse que o cara é escritor (amador ou profissional) como alguém é negro ou judeu… concordo. Não acordei um belo dia e disse: Oba! Vou ser escritor! É uma parada interna e que consome a gente. Não dá pra fugir, é como coçar. Tem que se fazer… Daí, quando vi que tinha a história de Inverno na mão, eu só podia fazer uma coisa: sentar numa cadeira e descer o cacete. Mas, como você disse, meu filho está pequeno e meu trabalho… Olha, a humanidade tá ferrada(risos). Caras como nós, que gostam de produção cultural, têm que sair oito da manhã todos os dias, sem saber a hora de voltar… Isso é aterrorizante. Geralmente volto tarde, depois das sete, morto de cansaço, a cabeça pesada, e minha esposa também… daí, tenho que dar carinho ao pequeno, ter tempo para escrever, ler alguma coisa e ainda ficar mais a mulher… tudo isso num intervalo de três, quatro horas, no máximo. É claro que há o banho e o jantar… Assim, se eu dormir antes da meia-noite, é como se minha vida não existisse… Você nem curte sua casa, suas coisas, sua família… O cara tem que levar trinta e cinco anos nessa porra… quando tiver morrendo, diz: “agora sim, vou viver”. Viver o quê?! O pau do cara nem sobe mais (risos). O sujeito tá velho, sem pique… o melhor pedaço de nossas existências, nosso vigor, nosso viço, é entregue de bandeja… O ser humano nasceu para ser criativo, fazer arte, curtir a natureza, ser feliz… e isso, a cada dia, tem sido muito mais que uma simples ideia utópica. É triste pro caralho.

Armazém: Muita gente deve te achar preguiçoso, ou que reclama de barriga cheia.

Fabiano: Com certeza! É o que mais rola… mas, vou te dizer: isso, em grande parte, é culpa da mídia. Eu mesmo era assim, há um tempo atrás. Mesmo já lendo e escrevendo, eu imaginava que o trabalho era algo natural, e que por ser natural, ninguém deveria reclamar. Tipo: como vou ficar puto por ter que cagar e mijar todo dia? O sistema monetário nos impinge o conceito de que só o “trabalho convencional” integra e constrói… Isso é mentira. É importante que sua atenção seja desviada da arte e da filosofia, isso gera pessoas burras, incapazes de pensar, e, logo, de questionar, o que mantém o status quo. O trabalho, esse trabalho escravizante, onde nossa vida nos é sugada diariamente, ele não é natural, foi inventado… tem um site, http://www.movimentozeitgeist.com.br, onde tudo isso é dissecado muito bem. Lá, eles dizem quais as alternativas – já que muita gente pergunta: se o povo não trabalha, como é que o mundo gira? Como introdução, sugiro a seção de vídeos… Não é religião, não é sectarismo, não é fanatismo… é análise, é razão, é ideia. Acredito que não há muita preguiça no mundo, não… Só há preguiça de querer mudar o modelo vigente. No livro, em Inverno, coloco um pouco dessas coisas.

Armazém: Aí é que entra a Internet…

Fabiano: Se há democracia no mundo, é na Internet. E, se houver alguma salvação, ela virá da Internet. Mudei muitos conceitos meus, a maioria, na verdade, através da Internet. O próprio Movimento Zeitgeist, por exemplo, é puramente “internético”. Jamais isso vai parar na TV, nem paga, nem aberta. Minha editora, por exemplo, é toda baseada na rede.

Armazém: Fale um pouco sobre ela, sua editora.

Fabiano: A Biblioteca 24×7 (http://www.biblioteca24x7.com.br) disponibiliza seu material num site, para leitura on-line ou, se a pessoa preferir, pode adquirir o livro físico. O próprio nome, 24×7, significa 24 horas por dia, 7 dias por semana. É claro que o conteúdo é criptografado, e não há risco de ser copiado e colado, por exemplo… É uma editora pequena, mas todo oásis é assim, não é? Estou bastante feliz em colocar o trabalho na rua, em dar a cara pra bater. Mas, com os pés no chão, é claro. É preciso ser humilde, sempre.

Armazém: Qual o preço do livro?

Fabiano: A edição para leitura on-line sai por R$ 12,50 e a versão impressa R$ 41,84.

Armazém: Você não acha que o preço da edição impressa é cara, e que o público ainda tem reservas com relação ao formato digital?

Fabiano: A versão impressa é um pouco cara, mas é por conta do modo como a Biblioteca 24×7 trabalha a questão da tiragem, que, na verdade, não existe. Quando alguém compra um livro físico, eles produzem esse único exemplar, que é numerado. Assim, de certa forma, é um livro exclusivo e, portanto, o preço dele jamais será compatível ao preço de um livro com milhares de exemplares produzidos de uma só vez. Em economia vemos isso. Quanto ao formato digital, acredito que ainda será bem procurado, mais lá para frente. Vários e-readers estão surgindo, a Positivo até lançou um agora… Porém, acredito que nada superará o velho e bom livro de papel.

Armazém: Você sabe, nós já conversamos sobre isso, meu sonho, e acredito que o de muitas pessoas no mundo todo, é viver de escrita. Que mensagem você dá pra quem está começando.

Fabiano: Bom, eu estou começando (risos)… Mas, sei lá… acho que é muito importante pôr os dois pés no chão e não prostituir sua arte. Antes de mais nada, a arte deve ser uma forma de meditação, uma forma de se entrar em contato com realidades mais sofisticadas e belas. Ganhar dinheiro nesse campo só é bom quando a coisa é natural. Não deixe de fazer outras coisas, para viver. Infelizmente, é assim. Eu critico o mercado de trabalho, mas sou consciente. Mas também não permita que nada atrapalhe sua arte. Há uma palavra mágica: persistência. Todos aqueles que foram algo, que conseguiram algo, seja na arte, na ciência, na política, todos têm uma coisa em comum: a persistência. Ganhar dinheiro é assessório, e jamais deve ser um motivo.

Um pai deve saber certas coisas, coisas importantes para a educação de um filho. São poucas, mas fundamentais. Uma delas, é o valor do sacrifício. Ou melhor, do auto sacrifício. O egoísmo paterno pode ser uma das razões da estagnação de nosso mundo. Outro câncer é a indiferença. Há uma história oriental que fala de um sujeito que tinha dois filhos. O primeiro, o mais velho, gostava de ler, ler qualquer coisa que considerasse boa, e apreciava também observar e discutir as coisas do mundo. O segundo, o mais novo, gostava de trabalhos manuais. Ambos eram pessoas de bem. Um dia houve uma discussão e Segundo disse ao pai: “se não fosse por mim, você não se sentava numa cadeira, nem se deitava numa cama, tampouco comia num prato, pois fui eu, com minhas mãos que os fiz. E Segundo? Segundo fez o quê? Você encherá, Pai, sua barriga com letras e filosofia? Ele, por acaso, planta alguma coisa? No frio, o senhor se enrola nos devaneios dele, por acaso?” O Pai, nada disse. Deixou que alguns dias se passassem, e as feridas fechassem. Então, chamou os dois filhos para uma pescaria. Na volta, Segundo precisou ser amparado para não cair de terror, ao ver a casa, com tudo que dentro possuía, reduzida a um monte de cinzas. “Pai”, disse ele em prantos, “nossa casa, ela está destruída… o que faremos agora?” “A reconstruiremos”, disse o Pai. “Assim? Só isso? O senhor não está triste?” “Não, meu filho, estou muito alegre” “Por quê?” “Por que, desta vez, você pensará nas coisas que constrói, não as fará com sórdidas intenções”. No processo de reconstrução, então, Segundo percebeu algo: Primeiro o ajudava a reconstruir a casa, e, à noite, ao redor da fogueira em frente à barraca, também era Primeiro quem falava coisas boas e os fazia rir. Segundo notou que, ao contrário do seu irmão, ele não podia tomar parte naquele momento, pois era vazio e não sabia falar tão bem. E, diversamente do que dissera certo dia ao Pai, mesmo numa barraca podia-se viver. Assim, Segundo tentou se aproximar de Primeiro, embora jamais tivesse conseguido se lhe igualar em sabedoria. Um dia, no futuro, quando Pai já estava bem velho, em seu leito de morte, e seu dois filhos eram homens feitos, pais de família e com boa vida, Segundo disse: “Pai, gostaria de pedir-lhe desculpas por ter um dia jogado em sua cara que eu lhe fazia coisas. Aprendi muito na reconstrução de nossa casa. Descobri que um homem não se faz apenas de trabalhos, mas, principalmente, de pensamento. Afinal, até para que executemos alguma tarefa, temos de pensar, primeiro. Antes de tudo, há o pensamento”. “Por isso, meu filho”, disse o Pai, “pedi a um vizinho para pôr fogo na casa, enquanto pescávamos”.

Esse vídeo é uma pérola. Um pastor de uma dessas igrejas que pululam por aí, vai pregar e começa a falar em línguas. Em seguida, “tomado de êxtase”, começa a rodar tresloucado. É engraçado pra cacete. Mas fico pensando: essa galera, que acredita mesmos nessas coisas, deve ser feliz. O cara vai prum culto desse, vê o pastor rodar igual uma pomba-gira e nesse momento o sujeito lava a alma. Sai burro, do mesmo jeito que entrou, mas em compensação mais esperançoso, pois viu o pasto pião, e um cara que roda que só porra, daquela maneira, só pode ser um enviado de Deus…

Esse vídeo é pra quem acredita em nossos canários-da-terra mascarrados!!!!

Dei muita risada, principalmente por ter visto isso de perto… e posso dizer uma coisa: não é muito diferente não…

Globalizacao

Recentemente, numa discussão com um amigo, reafirmei minha posição de falta de esperança na humanidade. Entretanto, apesar disso, não consigo deixar de me indignar com a brutalidade e estupidez de nossa espécie. É de se pensar que alguém como eu se torne cínico, perverso, sado-masoquista, indiferente… Mas é exatamente o contrário. Não sei porque isso ocorre. Desconheço totalmente os mecanismos psíquicos que formam alguém com meu modo de ser e de pensar, aparentemente paradoxal. Pode ser pelo simples fato de ser humano. Ainda que eu veja um bandido ser executado, ainda que saiba que ele fez mil e uma perversidades, ainda assim, embora ache que ele deva pagar com a vida, isso não me alegra nem um pouco. Recentemente vi algo que confirma isso. Um moleque roubou o celular de uma garota que saía de um colégio particular próximo à minha casa. Alguns colegas dela, que viram o roubo, uns seis ou sete, correram atrás do meliante. Quando este viu que a coisa ia ficar preta, ele jogou o celular no chão e continuou a correr, desesperadamente. Só não presenciei o momento exato do roubo, mas vi toda a correria. Fiquei imaginando se o ladrão caísse na mão da galera, e foi, no mínimo, sábia a decisão dele, de se livrar do aparelho. Mas o importante é colocar o quanto me senti mal presenciando aquilo, em plena luz do dia, ainda mais numa cidade pequena como a minha, que em tempos atrás (pouco mais de uma década), podia-se dormir num banco da praça que ninguém lhe fazia mal algum. A cidade está crescendo, a população aumentando, mas não se vê DESENVOLVIMENTO. Existe sim um retraimento absurdo da segurança pública e da qualidade de vida. Conheço gente que trabalha de sete da manhã a sete da noite para ganhar cento e sessenta reais por mês. Conheço, pessoalmente, meia dúzia de viciados em crack, e outro tanto em cocaína. Não se pode mais andar a pé sozinho por nossas ruas, após as dez da noite… A saúde continua a mesma coisa e a educação também, tudo de péssima qualidade. O povo continua se arrastando, alguns têm mais sorte como eu e outros que conseguem romper determinadas barreiras, mas é preciso respaldo pra se chegar em certos pontos. Fernando Henrique Cardos em seu cinismo exacerbado, disse, certa feita: “Como é que dizem que no Brasil não há mobilidade social? Veja o exemplo de Lula, que saiu de torneiro mecânico, para presidente da república.” Ora, dizer que há mobilidade social num país de quase duzentas milhões de pessoas, só porque um único cara chegou lá, é ser um grande sacana, ou um grande gozador. Vejamos o caso de Barack Obama, que acabou de ganhar o Nobel da Paz. Ele está na presidência porque deixaram ele ir, a indústria de armas deixou e a CIA. Quando Kennedy quis pôr fim à guerra do Vietnã, a gente sabe o que aconteceu, e também foi nesse episódio que surgiu o maior bode expiatório da história, Lee Oswald… Lula não chegou lá sozinho, e quem governa mesmo é José Dirceu e a corja dele, por trás dos bastidores, mas aí são outros quinhentos, que o diga Heloísa Helena, que não é santa, pois afinal, ninguém o é. O grande problema foi o consenso de Washington (vide Google ou Wikipédia), quando líderes de vários países, juntamente com os maiores empresários da época, elaboraram a Cartilha Neoliberal (vide Google ou Wikipédia) e ditaram as regras para o poder público, daquele dia em diante. Pra mim, nesse momento, foi quando a humanidade jogou a pá de cal em si própria. É muito simples raciocinar sobre isso: Até 1990, tinha-se a idéia (acertadíssima, em meu conceito) de que os governantes (prefeitos, vereadores, governadores de estado, etc) eram representantes dos interesses do povo. Com o consenso de Washington esse poder, ou idéia, deixou de existir e os governantes passaram a atender os interesses das empresas, que estavam muito excitadas em estender seus tentáculos para os países miseráveis, sob a justificativa de que levariam “emprego” e “desenvolvimento” para lá… foi por esse tempo que se cunhou o termo globalização, aldeia global, essas viadagens… Alguém disse que protestar contra a globalização e como protestar contra o mau tempo. Concordo, não tem jeito… mas eu penso… o que a globalização e o neoliberalismo trouxeram para nós? Carros importados? Celulares de ponta? Processadores de computador mais velozes? Acho que trouxeram doenças da alma, muito pesadas. Com a escassez de emprego (olha o paradoxo aí… os caras não disseram que tudo ia melhorar? é só reduzir a jornada semanal de trabalho que há aumento na oferta de emprego – na França é assim, Holanda, e por aí vai…) os trabalhadores vêm se sujeitando cada vez mais ao assédio moral, há muitos suicídios por conta disso. Morre-se de estresse e de câncer e ninguém tem mais tempo pra nada. É preciso se dedicar exclusivamente ao trabalho, e esquecer da família, da vida, dos amigos… Interessante que muitas pessoas que defendem esses modernismos são as mesmas que são escravizadas por elas… Com o advento da tecnologia, não se passou a trabalhar menos e ganhar, pelo menos o mesmo, passou-se a executar o trabalho de mais pessoas… Já falei sobre isso aqui. Quem tem dinheiro, hoje em dia, para gozar das últimas tecnologias de ponta? Não somos nós, com certeza, que fazemos parte da maioria esmagadora (ou esmagada). Assim, Lula não é representante do meu interesse, eu que o ajudei a colocá-lo onde ele está. Mas tanto faz Lula quanto Alckmin ou Serra… todos fariam o que Lula está fazendo, ainda que digam que Alckmin privatizaria até a mãe dele… Governar o Brasil, hoje em dia, consiste em sentar com os representantes da Fiesp, da Fenabam e aumentar os impostos para a classe média (classe essa que deixará de existir, daqui a alguns anos). Enfim, cansei de escrever. Nada disso é novo, mas nenhum boi morreu até hoje por ruminar, muito antes pelo contrário.