Skip navigation

Ultimamente tenho sido acometido de pesadelos que me fazem gritar durante a noite. Não lembro dos sonhos, mas uma moça ruiva… bom, onde estará ela? Ela diz que grito pavorosamente… Ontem, pouco depois de despertar, ouvi algo, uma voz, aparentemente humana, mas não entendi o que ela disse. Aquela voz pareceu sair de algum lugar perto do meu ouvido direito. Estava acordado, plenamente desperto, mas não senti medo, apenas uma leve ponta de surpresa. Tenho dois amigos que enlouqueceram… muito, mas muito facilmente; da noite para o dia. Estão completamente alienados, mas me reconhecem, sim, me reconhecem, e isto é perturbador. Ser visto e reconhecido pelos olhos de um demente. Diante de suas feições tornadas insanas, de seus dentes podres, de sua pele imunda e fétida, estremeço. Mas este tremor vem de um medo não tão profundo, mas pungente: o medo de terminar como eles. Minha casa fica isolada de tudo, e isto tem me dado certo conforto. Dou graças por poder estar aqui neste outeiro, quase completamente só. E a ruiva?… ela “dorme” num anexo – o que não a impede de ouvir meus gritos. Mas o isolamento também agride. Penso em meus amigos e os vejo completamente sós, em sua doença. Mas até que ponto estão completamente sós? Se os vejo falar, falar e falar, enquanto andam sem rumo, quase sempre à noite. Até que ponto sofrem? Até que ponto podem ainda ser considerados pessoas? Esta casa fica fora do perímetro urbano, como disse, num monte, num amplo terreno cercado de árvores de diversos tipos. Já sonhei com esta casa, sim, sonhei algumas vezes, muito antes de vê-la, muito antes de vir pra cá. Quando entrei aqui, pela primeira vez, senti uma grande familiaridade. Mas isso só fez aumentar meu estado de desarranjo espiritual. Sinto que posso enlouquecer, verdadeiramente… Há duas semanas, durante a madrugada, ouvi sons de cascos no corredor que liga meu quarto à sala, onde uma das lâmpadas do lustre estava ligada. Desde de pequeno aprendi a dormir assim, com a porta do quarto entreaberta e uma luz fraca ligada fora do quarto. Foram sons de cascos que ouvi. Cascos de animal pisando no azulejo do corredor. Eu jazia completamente enrolado na coberta de lã, em decúbito dorsal. Meus olhos estavam abertos, duros, mirando o teto. Eu apertava o pano próximo ao pescoço e sentia todos os músculos de meu peito travados. Os cascos subitamente pararam e escutei o ranger da porta que se abria lentamente. Uma luz mortiça, amarelada, inundou todo o quarto e os sons de cascos voltaram… aproximando-se de minha cama. Lágrimas desceram de meus olhos e meus dentes travaram quase a ponto de quebrarem-se. E não era o som de minha respiração que eu ouvia, e sim da coisa postada então logo ao lado de minha cama. Ela respirava ruidosa e lentamente. Os pelos de minha nuca se eriçaram, mas virei o rosto. Não sei como encontrei coragem para fazê-lo, só sei que ao me virar dei de cara com a moça ruiva. “Senhor R***, Senhor R***, acorde, o senhor está tendo um pesadelo”, dizia ela… Hoje procurei-a por toda a propriedade e não a achei. E pela primeira vez, desde que me mudei para cá, tomei a liberdade de abrir a porta do seu quarto, no anexo, e pasmei ante tamanha bagunça e sujeira. Não havia sequer uma cama, nem um armário, nem nada… Só ferramentas velhas, trapos sujos e pedaços de madeira informes! Quantas vezes a vi sair e entrar dali? Dezenas e dezenas de vezes. Mas por que tenho a estranha sensação de que fui enganado brutalmente pela minha mente? Onde estará ela, agora? Quem será ela? Neste exato momento, percebo meu peito apertar. Olho para o criado mudo, aqui ao meu lado. Há ali um revolver… e, a ambivalência do terror e da paz inundam minha alma – certamente, já plenamente enlouquecida – ante a possibilidade de deixar esta existência instável e ingrata. Grito pelo nome da ruiva… grito mais uma vez, três, quatro vezes… nada… Seria eu capaz de dar um braço para vê-la entrar por esta porta! Mas seu quarto! Nossa! Aquilo não é, nunca foi um quarto! E grito mais uma vez, e outra e mais outra…

Anúncios

One Comment

  1. é ruim quando essa fase começa,uma vez ficava me perguntando se eu era um satanico isso ocorreu durante muito tempo!!!!!!!!11111


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: