Skip navigation

Atletas do tiro aguardam ansiosamente os jogos do Rio

Atletas do tiro aguardam ansiosamente as olimpíadas do Rio

Mais uma merda pra terminar de foder com tudo. Como se já não bastasse uma porra de uma copa em 2014, agora olimpíadas em 2016… Duas catástrofes anunciadas com diferença de apenas dois anos. Imaginem, o Rio de Janeiro vai gastar R$ 29 bilhões pra sediar os jogos olímpicos… Daí fico pensado, “por que cabrunco Chicago perdeu?” Não entra em minha cabeça. Onde o Rio de Janeiro é melhor que Chicago? Onde o RJ é melhor que Tóquio e Madri? Em lugar nenhum, só na cabeça dos loucos que inventaram essa droga. Vi em algum lugar que estima-se que quase seis milhões de empregos serão gerados com isso, mas acredito que “empregos” é melhor que empregos, sem aspas. Pois, trabalhos na área de construção civil e serviços não são necessariamente empregos, são trabalhos. Vão construir um monte de merda, estádios, ginásios e o escambau, um monte de gente vai ser ajudante de pedreiro, mestre de obras essas porras, e depois? Vai ficar todo mundo de mão abanando, é claro. Alguém pode falar: mas as obras estarão lá, elas serão usadas para incrementar o esporte e tal. E aí eu pergunto: quem disse isso? É preciso grana e cultura pra se manter os centros desportivos. Será que daqui pra 2016 o Brasil vai mudar sua cultura predatória, corrupta e imediatista e pelo menos estimular e patrocinar uma meia dúzia de atletas pra quem sabe a gente sair com um punhadinho de medalhinhas de ouro e prata, ou até mesmo bronze? Mas quando falo de patrocínio, essas coisas, nem vou todo no fundo da questão, afinal, em se tratando de nosso país lindo, o buraco, é sempre, mas sempre muito mais embaixo. Quem conhece um colégio que forma atletas, aqui? Eu não conheço. Quem forma os jogadores de futebol são as ruas… O resto é um punhado de sonhador, que vez ou outra chega lá. Nossas escolas são verdadeiros lixos, nossos professores são marginalizados, mal pagos, desacreditados, mal preparados… Como formar atletas? Não há como! De uns anos pra cá, se instituiu a cultura dos cursos técnicos, visando a indústria… nossa mãe! vamos pensar um pouquinho… A indústria está indo pra onde? Está saindo (já saiu, melhor dizendo) dos países de primeiro mundo pros de terceiro e quarto, como o nosso. Lá fora, onde o povo é mais esperto, as escolas preparam o cidadão não pra ser um torneiro mecânico, um pintor de paredes, um apertador de porcas (que os imigrantes servem pra isso muito bem), o cidadão é formado pra se moldar ao mundo, pra se adaptar à realidade, criando alternativas, desenvolvendo trabalhos seus, resumindo, o cara é convidado a usar a criatividade o tempo todo. Isso gera arte de alta qualidade, arquitetura de alta qualidade, design, projetos científicos eficientes e inovadores, tecnologias baratas e efetivas… enfim, o que se vê por lá… e aqui? Estamos formando gente que vai engrossar o caldo do exército de reserva pras grandes multinacionais e um dia elas vão pra África e depois pra um lugar ainda mais fodido e desesperado. E a verdade é que quando essas multinacionais saíram de seus países de origem o povo estava preparado pra isso, o povo estava preparado para as grandes ondas de desemprego e nem ligou. Deu foi graças a Deus por se ver livre desses miseráveis sanguessugas da vida humana e passou a adotar, quase inconscientemente novas formas de viver, de compreender e interagir com o mundo. Por exemplo, hoje, na França, há muitas regiões com taxa de crescimento populacional negativo, e o governo está estimulando as pessoas a reproduzirem… Mas é claro que elas não vão acatar essa decisão, pois são pessoas francesas e elas sabem que o governo só quer foder todo mundo, desde que não sejam grandes empresários. Mas isso tudo serve pra mostrar que não temos cultura, nem nunca teremos, enquanto a educação não sofrer uma pesada e revolucionária reformulação. Assim que a copa e as olimpíadas passarem, todo mundo vai esquecer. Uns poucos vão lucrar pro caralho, como sempre, as atenções ficarão voltadas para a festa (daí poderão acontecer, por exemplo, alguns bons escândalos de corrupção no governo, que ninguém vai notar) e tudo, os ginásios, os estádios, tudo será tomado pelo mato, vai virar sucata, pois aqui ninguém sabe cuidar nem zelar por nada e o povo só aprendeu a gostar de futebol, e em seis anos isso não muda.

Eu só seria favorável ao Brasil sediar uma copa e uma olimpíada daqui há uns cinqüenta anos, depois de uma revolução na educação (já pensou, aplicar R$ 29 bilhões na educação, em sei anos! Tenho certeza que os resultados para o país seriam bem melhores a médio e longo prazo), que transformasse o país num país decente, de gente esperta, sábia, criativa e cuidadosa… Aí sim, valeria a pena. Mas nosso povo ainda é muito burro, imediatista e deslumbrado…

Anúncios

16 Comments

  1. Amigo Armazém, essa dinheirama vai ser financiada em boa parte pela iniciativa privada. Mas você não tá de todo errado não.

  2. Amigo Turco, pouco me importa de onde esse dinheiro vem, só me importa pra onde ele vai… Pense na energia que esses caras estão gastando pra fazer um evento como esse. Pensou? Agora aplique essa energia toda na melhoria da educação. É por aí que quero chegar.

  3. Cara, deixe de quadradismo. Você parece um daqueles professores da Escola de Agronomia dos anos oitenta, com a barba por fazer, uma calça jeans surrada e uma camiseta com a cara de Che. Com uma zorra de um megafone na mão gritando na praça: “Fora FMI!”, “Abaixo a ditadura!”. Os tempos são outros, “companheiro”, a globalização passou e tu não viu.
    Os Jogos Olímpicos são uma oportunidade inigualável, única em essência, de fazer propaganda deste Brasil de hoje, desse país em franco desenvolvimento. Cacarejar que somos grandes e somos capazes, arrebanhar mais confiança dos mercados e dos investidores internacionais. Temos que atrair gente com grana pra cá, mostrar que somos fortes economicamente (pois somos), mostrar que temos capacidade criativa (pois temos) e mostrar que somos iguais a eles (pois somos melhores). No mundo capitalista, este no qual estamos irremediavelmente inseridos, ou você se conforma com isso ou vai morrer com a camisa fedorenta de Che, um grande viés de desenvolvimento chama-se marketing. Os Jogos Olimpicos vão martelar no juízo do planeta Terra que o Brasil pode ser uma enorme potência mundial, pois podemos ser mesmo. Os Jogos vão nos dar mais visibilidade e muito mais respeito.
    Não tenho dúvida que as Olimpíadas do Rio de Janeiro serão um sucesso total, o brasileiro é retado, sabe fazer festa, sabe se organizar, sabe receber, sabe encher estádio, sabe comer uma água da porra, nossa tecnologia é de ponta, nossa indústria é moderna e nosso povo é inteligente e muito capaz.
    Turco, seu leitor, está certo: De onde vem o dinheiro é o que importa. R$ 29 bilhões?! Porra nenhuma! Saiba que vai ser muito mais que isso (o orçamento total não deve ser menor que 100 BILHÕES DE DÓLARES) e esse dinheiro tem origem certa, de grandes investidores que só metem grana em projetos de sucesso, não são otários. Depois é multiplicar esse dinheiro e aplicar internamente, nas necessidades gritantes de nossa gente. Nenhum investidor aplica na “educação do povo brasileiro” isso não existe, porra. Faz um abaixo assinado pra melhorar o Hospital Nossa Senhora do Bom Sucesso e entrega na Câmara Municipal, vai no CEAT e faz uma palestra, isso não vai resolver NADA. O caminho da inclusão social e da redução das desigualdades é outro.
    Por onde passaram, os Jogos Olímpicos deixaram um legado de desenvolvimento social incomparável. Barcelona é uma cidade de sonho hoje em dia. Pequim é reconhecida e cobiçada pelo mundo inteiro. O Brasil vai ser mais forte depois de 2016, tenho certeza.
    O Barbudo acabou com a fome do seu povo (não se vê mais reportagens de gente fazendo sopa de papelão no semi árido baiano) no Brasil não se morre de fome. O Barbudo pagou a dívida externa (hoje nós temos caixa até pra ajudar coirmãos em dificuldade economica – leia-se investimento político). O Barbudo incluiu o Brasil na comissão permanente de defesa da ONU (temos uma cadeira lá, única do hemisfério sul). O Barbudo arrumou petróleo como a zorra (quando a briosa Petrobrás começar a chupar o canudo lá do fundo do copo, tu vai ver o que é dinheiro). O Barbudo agora trouxe a maior festa do esporte mundial para a mais bonita cidade do mundo. Somos mais que Chicago, sim senhor, e mais que Madri.
    O Barbudo é foda.
    O Barbudo é foda.

  4. Discordo de tudo que o amigo bairrocentro falou e indico a leitura do livro “Pobreza, exclusão e modernidade: uma introdução ao mundo contemporâneo” de Simon Schwartzman. Se puder também e tiver interesse, dê um saque num certo capítulo de “Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil” de Ricardo Antunes… A despeito de todas as ofenças pessoais, ainda te considero pra cambara, cara. Não sabia que te feriria tanto com minha opinião sobre as olimpíadas, a ponto de você trazer à baila questões que dizem respeito à minha individualidade, formação acadêmica, modo de ser e até de vestir (só faltou racismo). Que isso fique no Armazém. Não quero te encontrar um dia e ouvir: “véi, essa roupa que tu tá usando é ridícula…” Nossas discussões jamais chegaram a esse nível e eu busco a evolução, ainda que saiba o caminho longo e árduo… Fique alerta, amigão… existem coisas que não podem, nunca, subir à cabeça… lembre da camisa do Pato Donald, já que você odeia tanto a do Che, que, por sinal, nunca usei, e em todos os sentidos, pois não levanto bandeiras pra ninguém (lembra dos Engenheiros? “Toda forma de poder é uma forma de morrer por nada…”). Já você é quem está sendo panfletário. Minha opinião é minha, não se apoia em partido ou em político algum, formei ela com meu pondo vista, com minhas observações… E pra mim, o que importa é escrever, ainda que niguém leia. Partidos políticos? Pouco me importam… Lula? Pouco me importa… Isso tudo pra mim é lixo… Eu vivo, vou vivendo, enquanto der… Pode ser que você a deteste hoje em dia (a camisa do PD), mas sei que lá no fundo, bem lá no fundo, você tem uma saudadezinha, como qualquer ser humano sentiria… Sei que o mundo não tem jeito, que tá tudo ferrado… falo sempre isso aqui, direto… Globalização, neoliberalismo, assédio moral, carreirismo, todas essas coisas são objetos de estudos informais que venho fazendo, por diversão, e sei bem que elas são irreversíveis, ninguém precisa pôr o dedo em minha cara, não, muito menos você, que é meu amigo pessoal. Sua veemência em apoiar o que aí está é esquisita, para não dizer incompreensível, mas não vou entrar nesse mérito. Respeito todas as opiniões, até as mais absurdas, mas não nos digladiemos por coisas que estão tão fora de foco… enquanto você me insulta, Lula está viajando, curtindo pra caramba, e tal… Ele nem sabe quem nós somos, que nós existimos… Não vale a pena jogar fora anos de amizade por uma Olimpíada falida, que vai ser curtida pela burguesia praiana do Rio e só. Entretanto, sei que é bem melhor fazer olimpíada que investir no que vale a pena, mas é por isso que tenho que gostar? Pense na seguinte situação: meia dúzia de caras fortes te cercam num beco e começam a te enrabar… depois de alguns minutos você percebe que não há como fugir daquela enrabação, que eles vão te enrabar até quererem parar… assim, por não ter jeito (como o neoliberalismo e a globalização) você passará a gostar da enrabação? Eu vivo nesse mundo, sou parte dele, mas me bato com ele e vou me bater, enquanto achar que há coisas com as quais preciso me bater… E quero que Che e Lula se fodam, que esses caras só querem uma coisa: PODER. Uma vez lá em cima, o sujeito pode ser comunista, socialista, capitalista, pederasta, o escambau, ele esquece que é humano, vira Deus e quer lascar todo mundo! Sou a favor da busca pela libertação, da busca pelo auto-conhecimento, sem porra de partido, sem porra de mártir, sem ideologias estereotipadas. Mas entenda: é uma BUSCA… Agora, se a coisa lembra algo que você, particularmente, não vivenciou, mas ouviu falar… aí, é outra história… Tem culpa eu?
    …como sempre, o esquecimento tomará conta de tudo, e passados alguns anos, niguém se lembrará que houve Olimpíada no Brasil e os ginásios e estádios serão amplas moradias para os pardais e substrato para o mais puro capim – e não é preciso ser Agrônomo para saber disso.

  5. Entre pegar vinte e nove bilhões e botar numa olimpíada, é preferível mil vezes investir em coisas mais urgentes. Mas a gente sabe que ninguém fará isso. É melhor então que se faça uma olimpíada, a fazer nada.

  6. Exato, o importante é termos consciência disso. Você, amigo Turco, tocou no ponto fundamental da coisa. Niguém está aqui querendo que não haja olimpíadas, só penso que há coisas mais importantes, e isso é claro como água.

  7. Sou professora da rede pública e concordo com o moderador.

  8. Valeu, Nara.

  9. Oxente, cara.
    Quando falei da UFBA e de Che não me referia a você. Você nem tem camisa de Che… Não quis ofender e você sabe disso, só falei por que sempre gostamos de falar, imaginei-nos sob o poste, com Telles dando apoio a você. Desculpa, retiro tudo, da primeira a última linha. Nossa amizade vale mais de 29 milhões, vale uma cifra impossível de dizer.
    Só foi polêmica, deixe entrar por um ouvido e sair pelo outro. No Eliffot, o próximo guarda redes é seu.

  10. Chicotadas psicológicas à parte, agradeço pelo guarda redes.

  11. Oh! A velha camisa do Pato Donald… Aqui e agora, distante tantos quilômetros e tantos anos, percebo que não a odeio tanto assim…
    Tu viu que agora virou “moderador”?! Tá evoluindo hein, sacana…

  12. É, papai gostou… e Obama é Nobel da Paz. Ele merece… embora saibamos que quem governa não é ele e sim a CIA e a indústria bélica norte americana… mas, enfim, para usar uma frase da moda: é melhor do que nada.

  13. Obama é outro foda, mas tu sabe que do lamaçal onde ele se meteu é difícil sair limpo. Nossas contraposições ideológicas no poste, nas cartas Feira-Cruz e agora na grande rede têm a mesma e única origem, sou um otimista incorrigível, acho que as coisas vão melhorar, penso que o país tem só quinhentos anos, que esses caras vão morrendo (ACM e Brizola já morreram) e vai chegando gente nova e decente pra sentar nas cadeiras do poder. Não é possível que só exista cara escroto por aí. Sou otimista demais e você sabe o quanto tenho me prejudicado por isso.
    Agora, percebi uma ponta de Sindrome de Pétron naquela cena dos caras te enrabando num beco…

  14. Não acredito mais na humanidade, perdi a fé num mundo melhor há muito tempo. Não lembro mais qual a sensação de uma boa alegria, pura e verdadeira… A cada novo dia, impera a ansiedade do que está por vir, e são, amiúde, surpresas desagradáveis.
    Tenho me apegado naquele lema bem batidão: “Hoje é o último dia do resto de nossas vidas.”

  15. Eu acho que você está mais do que certo. Tanta desgraça acontecendo e o Brasil gastando grana pra sediar as olimpíadas. “Aff”


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: